Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a nossa política de privacidade e de utilização de cookies.

OK

Propriedades da Curcuma

Propriedades da curcuma
Não tens tempo para ler? Ouve este artigo no formato podcastClica aqui.

 

A curcuma (Curcuma longa L.) é uma das plantas mais usadas em medicina ayurvédica e a sua reputação não para de crescer no ocidente. Neste artigo, vou falar-te de história, de evidência científica e de várias aplicações da curcuma no dia a dia, entre outras curiosidades.

 

 

História da curcuma

Membro da família Zingiberaceae, à qual pertencem também o gengibre (Zingiber officinale Roscoe) e o cardamomo (Elettaria cardamomum L.)1, a curcuma ficou conhecida como o açafrão-da-Índia devido à sua intensa cor amarela. É usada na cultura védica há 4000 anos, tanto em culinária como em rituais religiosos2. Algumas fontes3,4 referem que espalhar curcuma pela casa em saquinhos de pano vermelhos afasta as energias negativas e os insetos.

 

Acredita-se que a curcuma terá chegado à China no século VIII, às Áfricas oriental e ocidental nos séculos IX e XIII, respetivamente, e atravessado o oceano até à Jamaica algures no século XVIII2. Desde muito cedo, Portugal teve acesso à curcuma, entre outras especiarias indianas, por via de rotas que se faziam através do mar mediterrâneo. Foi com a descoberta do caminho marítimo para a Índia em 1498, por Vasco da Gama, que as especiarias se tornaram uma parte integrante da culinária portuguesa.

 

A maior produção de curcuma do mundo é em Erode, uma cidade no sul da Índia, também conhecida por cidade amarela (entende-se porquê). Cerca de 80% de toda a produção mundial é consumida na Índia2. É caso para dizer: é muita curcuma!

 

A curcuma pode ser consumida na sua forma fresca, removendo-se a pele acastanhada que reveste os rizomas tuberosos, ou desidratada, que é o mais usual. Para se obter o pó, o produto fresco tem de passar por um processamento primeiro, de forma a eliminar o odor cru, gelatinizar o amido e conferir uma cor mais uniforme. Antigamente, na Índia, os rizomas eram colocados em panelas ou potes de barro, cobertos com água, folhas e uma camada de estrume de vaca – a amónia presente no estrume reagia com a curcuma para originar o produto final. Os rizomas fervidos eram posteriormente secos ao sol até que produzissem um som metálico ao toque, sinal de que estariam suficientemente secos. Se acabaste de perder a vontade de consumir curcuma em pó, não temas, pois o processo já foi atualizado e no lugar do estrume usam-se agora soluções alcalinas de bicarbonato de sódio, por exemplo.2

 

Apesar de não perder as suas características cromáticas, o sabor da curcuma em pó pode sofrer alterações ao longo do tempo. Para reduzires ao máximo a sua taxa de deterioração, conserva-a num local fresco, seco e ao abrigo da luz solar.

 

 

A curcuma no Ayurveda

Em sânscrito, curcuma diz-se haridrá. Em hindi, é conhecida por haldi.

 

Segundo o Ayurveda, os alimentos têm um sabor específico que nos permite identificar o que estamos a comer e este pode ser:

  1. Doce
  2. Ácido
  3. Salgado
  4. Amargo
  5. Picante
  6. Adstringente

 

Cada alimento tem ainda a capacidade de aumentar ou reduzir o nosso fogo interno, consoante a sua potência seja quente ou fria. No final da digestão, apenas 3 dos 6 sabores que conhecemos são assimiláveis pelo intestino, por isso, o agni, ou fogo digestivo, trata de os converter no que conhecemos como o sabor pós-digestivo.

 

Com base nestes princípios, a curcuma está descrita nos tratados clássicos5 como tendo:

  • Sabores picante e amargo;
  • Potência quente, ou seja, estimula a digestão;
  • Sabor pós-digestivo picante.

 

De uma forma geral, a curcuma reduz os doshas kapha e pitta e pode aumentar um pouco o dosha vata, o que não é de todo preocupante. Na medicina ayurvédica é considerada uma planta com múltiplas valências. Deixo-te com alguns desequilíbrios para os quais é usada em contexto terapêutico:

  • Fraqueza e falta de energia;
  • Flatulência;
  • Parasitas intestinais;
  • Digestão fraca;
  • Menstruações irregulares;
  • Cálculos biliares;
  • Artrite e outros processos inflamatórios;
  • Feridas com ou sem infeção;
  • Doenças da pele;
  • Diabetes;
  • Asma e sinusite, entre outros problemas respiratórios.

 

Sabias que no Bangladeche, no Paquistão e em algumas zonas da Índia, os noivos (e as noivas) são massajados com uma pasta de curcuma antes do casamento de forma a iluminar a pele e manter o corpo livre de bactérias prejudiciais?2

 

 

Evidência científica

A curcumina é o principal composto biológico ativo da Curcuma longa L. e à qual são atribuídos os principais efeitos terapêuticos da planta6. Os seus derivados, dimetoxicurcumina e bisdimetoxicurcumina, têm uma ação antioxidante2.

 

A estrutura química da curcumina foi estabelecida há mais de 100 anos por um grupo de investigadores polacos. A extração a partir da raiz da planta é relativamente fácil e barata. No entanto, são produzidos em laboratório análogos sintéticos da substância ativa e dos seus derivados.7 Caso pretendas adquirir um suplemento, presta atenção às características do produto e, se tiveres dúvidas, pergunta ao fabricante.

 

A análise nutricional da curcuma revela que 100 gramas da planta na sua forma desidratada têm2:

  • 390 kcal
  • 10 g de lípidos, dos quais 3 g são saturados (não tem colesterol)
  • 0,2 g de cálcio
  • 0,26 g de fósforo
  • 10 mg de sódio
  • 2500 mg de potássio
  • 47,5 mg de ferro
  • 0,9 mg de tiamina
  • 0,19 mg de riboflavina
  • 4,8 mg de niacina
  • 50 mg de ácido ascórbico
  • 69,9 g de hidratos de carbono, dos quais 3 g são açúcares
  • 21 g de fibra
  • 8 g de proteína

 

Nos últimos anos, a curcumina tem sido alvo de muita investigação, incluindo estudos in vitro, in vivo e ensaios clínicos. Existem numerosas publicações que revelam as suas propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e preventivas do cancro, entre outras. A nível molecular, a curcumina inibe a proliferação celular e a criação de metástases, e bloqueia a produção de promotores inflamatórios.7

 

A ausência de toxicidade, efeitos secundários e interações medicamentosas é um fator muito vantajoso na introdução da curcumina na farmacologia moderna. No entanto, esta substância é pouco solúvel em água e outros fluídos orgânicos, sendo rapidamente metabolizada e eliminada no trato gastrointestinal. A investigação mais recente tem-se focado no aumento da sua biodisponibilidade, o que por sua vez tem sido o maior desafio.7 Num dos estudos realizados neste sentido, descobriu-se que a piperina, substância ativa da pimenta preta, aumentava a biodisponibilidade da curcumina em 154 %8. Penso que seja esta a razão pela qual a combinação de curcuma e pimenta preta ficou tão famosa.

 

Uma das condições clínicas para as quais a curcuma tem revelado efeitos muito promissores é a depressão. Num estudo in vivo realizado na China, a utilização de extrato etanólico de Curcuma longa L. revelou uma acentuada inibição da redução dos níveis de serotonina e dopamina, entre outros neurotransmissores9. Traduzido por miúdos: a serotonina e a dopamina são neurotransmissores que atuam como hormonas e cuja redução está associada a estados depressivos. A curcuma inibe essa redução :)

 

Apesar da ciência ainda não conseguir explicar totalmente o modus operandi da curcumina, a utilização da curcuma segundo os ensinamentos ayurvédicos continua a funcionar! De seguida, partilho contigo várias aplicações seguras e eficazes para o dia a dia.

 

 

Aplicação no dia a dia

Além de curativa, a curcuma tem também uma ação preventiva, por isso, usa sem limites nos teus cozinhados, incluindo o famoso golden milk. A curcuma melhora a digestão, e reduz a flatulência e o inchaço abdominal. Deita uma colher de chá rasa no tacho e deixa o teu estufado absorver todos as substâncias medicinais do açafrão-da-Índia. Eu adiciono a praticamente todos os cozinhados de tacho, aos hambúrgueres de grão e aos ovos mexidos.

 

Outra aplicação eficaz da curcuma em pó é a limpeza e cicatrização de feridas. Um dos meus professores, o Doutor Ghanashyam Marda, médico ayurvédico na Índia e especialista em diabetes, partilhou numa aula que a curcuma em pó aplicada diretamente nas feridas já salvou muitos dos seus pacientes de cirurgias de amputação. Quando tenho uma ferida cubro-a de curcuma em pó e deixo-a arejada (a oxigenação é crucial no processo de cicatrização) – em poucos dias, a minha pele está regenerada.

 

A próxima dica é para as mulheres e também me foi ensinada pelo Doutor Marda. Na ocorrência de prurido vaginal, antes de recorreres aos fármacos convencionais, que na maioria das vezes destabilizam o pH vaginal, experimenta fazer uma lavagem por irrigação. Ferve 1 colher de sopa de curcuma em pó num litro de água durante 5 minutos. Arrefece e coloca num saco de irrigação (à venda nas farmácias). É muito apaziguador.

 

Quando sentires desconforto articular, come sobremesa! Não uma sobremesa qualquer. A curcuma é um excelente anti-inflamatório, por isso, experimenta fazer assim: combina 1 colher de chá de mel cru e 1 colher de café rasa de curcuma em pó. Mistura bem e come no fim das refeições principais. Se após uma semana os sintomas persistirem, procura aconselhamento profissional, poderás ter necessidade de uma terapêutica mais específica.

 

Muitas das substâncias ativas dos remédios herbais são, na verdade, metabolitos secundários produzidos pelas plantas para se protegerem a si mesmas de doenças e infeções2. Continuamos a evoluir em conjunto, animais e plantas, e a viver em comunhão uns com os outros.

 

No Curso Ayurveda Online partilho contigo as propriedades de mais de 200 alimentos descritas nos tratados clássicos do Ayurveda. Mais de 200! Todo este conhecimento na tua mão. Se te interessas por Ayurveda e queres aprender mais inscreve-te já na próxima edição (inicia em setembro)!

 

Espero que tenhas gostado deste artigo. Vemo-nos no próximo!

 

Com amor,
Mafalda

 


A informação apresentada é meramente informativa, de índole genérica, não contendo uma análise exaustiva de todos os aspetos dos temas analisados, pelo que não substitui aconselhamento especializado.

Subscreve a minha friendsletter (gratuita)! 

 

1 - Zingiberaceae, disponível em theplantlist.org
2 - Turmeric, the Golden Spice, disponível em ncbi.nlm.nih.gov
3 - 10 Indian superstitions related to food, disponível em timesofindia.indiatimes.com
4 - 7 Food Superstitions You Will Only Find in India and Their Significance, disponível em food.ndtv.com
5 - Bhavaprakasha of Bhavamishra, mais informação disponível em goodreads.com
6 - The effects of curcuma longa and curcumin on reproductive systems, disponível em pubmed.ncbi.nlm.nih.gov
7 - Curcuma longa as medicinal plant in the treatment of diabetic complications, disponível em ptfarm.pl
8 - Influence of piperine on the pharmacokinetics of curcumin in animals and human volunteers, disponível em pubmed.ncbi.nlm.nih.gov
9 - Behavioral, neurochemical and neuroendocrine effects of the ethanolic extract from Curcuma longa L. in the mouse forced swimming test, disponível em sciencedirect.com

Fotografia de Karl Solano