Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a nossa política de privacidade e de utilização de cookies.

OK

Aromaterapia: Alfazema e Rosmaninho no Dia a Dia

Aromaterapia

Os óleos essenciais de alfazema e rosmaninho eram extensamente utilizados em perfumaria e cosmética durante o reinado da Rainha Vitória, em meados do século XIX, no Reino Unido. Muito antes disso, o rei Louis XIV, de França, já exigia que as suas roupas fossem lavadas e perfumadas com esta essência.1

 

As propriedades destas plantas vão muito além do aroma fresco das suas flores. O uso da alfazema e do rosmaninho para fins medicinais remonta aos primórdios das civilizações greco-romana e egípcia1. A crescente evidência científica aponta para a alfazema como um agente natural eficaz na prevenção da saúde e, até mesmo, como coadjuvante na manutenção de algumas patologias como, por exemplo, a doença de Alzheimer2.

 

Tratando-se de plantas originárias da região mediterrânica, não se conhecem registos ancestrais ayurvédicos relativamente à utilização das mesmas. No entanto, é sabido que os nossos antepassados faziam uso destas plantas de várias formas, desde a preparação de infusões para combater constipações e tosse, à preparação de decocções para lavagem de feridas e prevenção da queda de cabelo3.

 

 

Alfazema, lavanda e rosmaninho – Sinónimos?

Tanto a alfazema como o rosmaninho pertencem ao género Lavandula, mas não são a mesma planta. A palavra lavanda, vulgarmente utilizada no Brasil, é sinónimo de alfazema. Em Portugal continental, verifica-se a ocorrência espontânea de cinco espécies de Lavandula3:

  • Lavandula latifolia (alfazema-brava);
  • Lavandula multifida (alfazema-de-folhas-recortadas);
  • Lavandula stoechas (rosmaninho-menor);
  • Lavandula pedunculata (rosmaninho-maior).

 

Nos Açores e na Madeira encontra-se a Lavandula viridis, ou rosmaninho-verde.

 

 

Culinária ayurvédica: alfazema e rosmaninho

Feche os olhos e imagine um delicioso bolo de chocolate com uma cremosa cobertura do mesmo ingrediente. Já está a salivar? Agora, polvilhe esse mesmo bolo com flores de alfazema – este é o verdadeiro significado da expressão aromaterapia à mesa. Estamos na época de floração da maioria das espécies de Lavandula, por isso, se nunca experimentou cozinhar com estas flores, está na altura certa. Todavia, as flores secas também podem ser usadas para esse fim.

 

A generalidade dos legumes assados no forno (batata doce, abóbora, beringela, pimento) ligam muito bem com as folhas de alfazema e/ou rosmaninho. Além disso, as azeitonas adoram namorar não só com as folhas mas também com as flores num bom tempero mediterrânico. Purifique estes dias quentes primaveris com um sumo verde perfumado com alfazema (pode usar as flores frescas ou secas) e, ao serão, aqueça o coração com uma infusão tridosha (equilibrante para todos os doshas).

 

 

Aromaterapia com óleo essencial de lavandula spp.4

O óleo essencial da espécie Lavandula angustifolia é o mais vendido, o que se deve, em parte, à versatilidade das suas propriedades. Se a aromaterapia é uma novidade para si e não sabe por onde começar, não procure mais – o óleo essencial de alfazema é o tudo-em-um que precisava na sua vida, qualquer que seja o seu dosha predominante.

 

Uma vez que atua diretamente no sistema nervoso, as propriedades calmante e antidepressiva são as mais conhecidas da alfazema. Sempre que a sensação de ansiedade comece a aflorar, faça o seguinte:

  • Coloque uma gota de óleo essencial nas palmas das mãos e esfregue-as uma contra a outra. Cubra o rosto com as suas mãos e inspire profundamente, repetindo em pensamento e de uma forma lenta “eu estou relaxado(a)”.

 

Os inaladores são muito convenientes para andar no bolso ou na mala, levando a aromaterapia consigo para onde quer que vá, uma vez que têm o tamanho aproximado de um batom. Na consulta ayurvédica pode escolher um inalador com um óleo essencial que lhe agrade, por exemplo, o de alfazema – um presente para trazer calma e serenidade para o seu dia a dia.

 

Este é também o óleo essencial mais indicado para o alívio das dores de cabeça, quer seja aplicado sozinho ou em sinergia com outros óleos essenciais, como é o caso do sérum relaxante. Além disso, as suas propriedades antisséticas e purificantes fazem deste óleo um aditivo muito interessante para os óleos de massagem, especialmente para as pessoas – adultos ou crianças – mais agitadas e/ou com peles mais sensíveis.

 

Para os que sofrem de insónias, umas gotas na almofada antes de deitar são o remédio santo. Se tiver um olfato muito sensível e achar o aroma muito forte, pode colocar diretamente nos lençóis ao fundo da cama.

 

Para descomprimir depois de um dia de trabalho, não há nada melhor do que chegar a casa e ter o aroma da alfazema a pairar na atmosfera. Se ainda não tem um difusor e está a pensar adquirir um, sugiro que leia o artigo que explica como escolher um difusor de aromaterapia.

 

Há inúmeras marcas produtoras de óleos essenciais no mercado, mas existe uma que eu gosto particularmente não só porque são produzidos em Portugal mas também porque conheço o processo de extração e confio plenamente na qualidade dos seus produtos – Herdade Vale do Côvo.

 

São tantas as formas de tirar partido destas plantas maravilhosas que seria impossível tê-las descrito todas num só artigo. Ainda assim, espero que se tenha apaixonado por elas e que este seja o início de um relacionamento lindo e duradouro entre vocês.

 

Com amor,

Mafalda

 


A informação apresentada é meramente informativa, de índole genérica, não contendo uma análise exaustiva de todos os aspetos dos temas analisados, pelo que não substitui uma consulta com um terapeuta especializado.

1 - Lavender: the Genus Lavandula, mais informação disponível em books.google.pt
2 - Lavandula angustifolia biological characteristics: An in vitro study, disponível em onlinelibrary.wiley.com
3 - Lavandula Luisieri (Rozeira) Rivas-martínez e Lavandula Pedunculata (Mill.) Cav., disponível em cbv.fc.ul.pt
4 - Refere-se a todas as espécies de Lavandula

Fotografia por Amy Treasure